Porto | Portugal | jruicorreia@gmail.com

Estética da abdicação

[Julho 2017]

“Sou daquelas almas que as mulheres dizem que amam, e nunca reconhecem quando encontram, daquelas que, se elas as reconhecessem, mesmo assim não as reconheceriam.

Sofro a delicadeza dos meus sentimentos com uma atenção desdenhosa.

Tenho todas as qualidades, pelas quais são admirados os poetas românticos, mesmo aquela falta dessas qualidades, pela qual se é realmente poeta romântico.

Encontro-me descrito (em parte) em vários romances como protagonista de vários enredos; mas o essencial da minha vida, como da minha alma, é não ser nunca protagonista.”

Bernardo Soares

[Dezembro 2016]

«Não ter emoções, não ter desejos, não ter vontades,
Mas ser apenas, no ar sensível das coisas
Uma consciência abstracta com asas de pensamento,
Não ser desonesto nem não desonesto, separado ou junto,
Nem igual a outros, nem diferente dos outros,
Vivê-los em outrem, separar-se deles
Como quem, distraído, se esquece de si...»

“Álvaro de Campos”


O Universo não é uma ideia minha.
A minha ideia do Universo é que é uma ideia minha.
A noite não anoitece pelos meus olhos,
A minha ideia da noite é que anoitece por meus olhos.
Fora de eu pensar e de haver quaisquer pensamentos
A noite anoitece concretamente
E o fulgor das estrelas existe como se tivesse peso.

Alberto Caeiro



[Ermesinde-2013]

"A Um Jovem Poeta"

Procura a rosa. / Onde ela estiver
estás tu fora / de ti. Procura-a em prosa, pode ser

que em prosa ela floresça / ainda, sob tanta
metáfora; pode ser, e que quando / nela te vires te reconheças

como diante de uma infância / inicial não embaciada
de nenhuma palavra / e nenhuma lembrança.

Talvez possas então / escrever sem porquê,
evidência de novo da Razão / e passagem para o que não se vê.

Manuel António Pina


 Quando tornar a vir a Primavera
Talvez já não me encontre no mundo.
Gostava agora de poder julgar que a Primavera é gente
Para poder supor que ela choraria,
Vendo que perdera o seu único amigo.
Mas a Primavera nem sequer é uma coisa:
É uma maneira de dizer.
Nem mesmo as flores tornam, ou as folhas verdes.
Há novas flores, novas folhas verdes.
Há outros dias suaves.
Nada torna, nada se repete, porque tudo é real.

Alberto Caeiro

[Vila Chã-2013]

[Labruge - 2013]